Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Bebida Láctea e Iogurte


Bebida láctea fermentada e Iogurte: a mesma coisa?










Na própria embalagem das bebidas lácteas fermentadas informam que não são iogurtes. Mas então, surge uma dúvida, qual a diferença?

Bebida láctea fermentada

As bebidas lácteas fermentadas segundo o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Bebidas Lácteas são o produto obtido, a partir de leite ou leite reconstituído e/ou derivados de leite, fermentado mediante a ação de cultivo de microrganismos específicos, e/ou adicionado de leite fermentado e/ou outros produtos lácteos fermentados, e que não poderá ser submetido a tratamento térmico após a fermentação. A contagem total de bactérias lácticas viáveis deve ser no mínimo de 106 UFC/g, no produto final, para o(s) cultivo(s) láctico(s) específico(s) empregado(s), durante todo o prazo de validade, com ou sem adição de outros ingredientes, onde a base láctea representa pelo menos 51% (m/m) do total de ingredientes do produto (Brasil, 1999).



Iogurte Natural



O Iogurte (do turco yoğurt, do adjetivo yoğun, "denso" ou "tornar denso") é uma forma de leite em que o açúcar (a lactose) foi transformado em ácido lático, por fermentação bacteriana. É um líquido espesso, branco e levemente ácido, muito nutritivo e, por essa razão, muitas vezes é servido e mesmo vendido misturado com frutas, chocolate ou outro tipo de adoçante .

Basicamente, a diferença entre iogurte e bebida láctea é a consistência e uma redução do valor nutritivo do segundo, quando comparado ao primeiro produto. A bebida láctea é mais líquida, enquanto o iogurte é mais consistente e deve ser ingerido de colher. A textura mais leve da bebida láctea é fruto da incorporação de soro de leite, enquanto a base do iogurte é o leite (Laticínio.net).



Quer aprender a fazer Iogurte caseiro? Então anota aí!



Ingredientes:

- 1 copo de iogurte natural integral qualquer marca

- 2 potes de vidros de 500 g com tampa

- 1 litro de leite longa vida integral

- Mel de abelhas



Modo de fazer:

1.     Esterilize os vidros antes do primeiro uso com água quente, após a esterilização coloque nos vidros a metade do copo de iogurte natural metade em um pote e metade em outro.

2.    Complete os potes com o leite longa vida enchendo até o nível atingir a rosca do vidro.

3.    Não encha o vidro até a boca porque o volume aumenta com a fermentação do leite.

4.    Mexa com uma colher bem limpa e depois tampe os potes, após isso deixe descansar por 18 à 24 horas dependendo do clima local fora da geladeira coberto com um pano para conservar temperatura.

5.    Após as horas necessárias veja se esta mais consistente e coloque os potes na geladeira, quando estiver gelado sirva com mel de abelhas , mas mexa bem para q o mel se misture bem.

6.    Não misture o mel dentro do pote, pois pode utilizar esse mesmo iogurte pronto para fazer outros com a mesma quantidade do primeiro. Bastam adicionar leite quando estiver com cerca de dois dedos do nível do iogurte no vidro.

7.    Pronto, faça iogurtes para você e sua família.

8.    Rende cerca de 800 g separando o iogurte para fazer outro.

Dicas: Esta receita também pode ser feita em potes menores de vidro, inclusive o processo de fermentação fica mais rápido. Regiões de clima muito quente 12h já é o suficiente para a fermentação, mas deve ser monitorado observando a consistência do iogurte. Pode ser feito com leite frio mesmo, mas também pode aquecer levemente o leite quando o clima estiver mais frio. Para adicionar frutas, basta bater no liquidificador quando for consumir. Sempre coloque na geladeira após o processo de fermentação para que o mesmo não estrague. Utilizem sempre leite integral de boa qualidade para obter um melhor iogurte.



Referências:
- Laticínio.net: http://www.laticinio.net/inf_tecnicas.asp?cod=57

- Brasil. Ministério da Agricultura. Regulamento da Agricultura e do Abastecimento, Regulamento técnico de identidade e qualidade de bebidas lácteas. DAS/SIPOA. Brasília: Diário Oficial da União, n. 234, p.46-49, 08 de dezembro de 1999. Seção I.



Nenhum comentário:

Postar um comentário